×

Publicidade

Artigos

Ansiedade gerada pela pandemia pode influenciar na fertilidade

Em um estudo publicado na revista Frontiers in Pediatrics, cientistas chineses relatam que a transmissão de coronavírus não deve ocorrer de mãe para filho (a). Com base nos casos de mães que foram infectadas na China, os pesquisadores descobriram que o vírus não foi transmitido para os recém-nascidos durante a gravidez. Claro que há uma série de cuidados que a gestante deve adotar, mas não significa impedimento nos planos de engravidar.
No entanto, em meio ao cenário de incertezas por conta do coronavírus, é inevitável a sensação de fragilidade e impotência. Para mulheres que estão tentando engravidar, a ansiedade do momento atual é um grande obstáculo para comemorar o teste positivo. Segundo a Dra. Karina Tafner, ginecologista e obstetra, especialista em endocrinologia ginecológica e reprodução humana pela Santa Casa, e especialista em reprodução assistida pela FEBRASGO; a relação entre patologias somáticas e psíquicas vem sendo estudadas há décadas e estão cada vez mais atreladas.
“Em relação à fertilidade, inúmeros são os fatores que podem alterá-la. No entanto, 5% dos diagnósticos de infertilidade são denominados ‘infertilidade sem causa aparente’ (ISCA), em que não encontramos uma causa orgânica associada. No universo da psicologia, por muito tempo, casos de infertilidade sem causa aparente foram associados a conflitos inconscientes em relação à gestação e à maternidade, principalmente, relacionados à figura materna e ao medo de reproduzir um modelo tido como ruim. Considerando a interação corpo-psiquismo, supõe-se que a infertilidade tem causa combinada, onde o psíquico influencia no corpo biológico, assim como o sofrimento do corpo influencia na mente”, explica.
Diversos estudos relatam que o estresse e a ansiedade, como no momento atual, podem alterar certas funções fisiológicas relacionadas à fertilidade, formando um ciclo vicioso que se retroalimenta, pois a infertilidade e seus tratamentos podem causar graves danos psicológicos ao casal.
Segundo Karina Tafner, o núcleo arqueado, localizado no hipotálamo, é o principal local de produça?o do hormônio GnRH, essencial no funcionamento do eixo hipotálamo-hipofise- ovário, que induz a ovulação e, assim, o ciclo menstrual. O núcleo arqueado recebe vários circuitos neuronais do sistema límbico, responsável pelas emoço?es, que podem modificar a intensidade e a frequência dos pulsos de GnRH.
“A alteração desses pulsos leva a inibição do eixo hormonal que estimula o ovário, explicando as várias formas de alteraço?es menstruais observadas em mulheres submetidas a fortes impactos emocionais. Na dependência da intensidade e duraça?o desses estímulos, as mulheres podem, inclusive, desenvolver amenorreia hipotalâmica funcional ou anovulaça?o crônica hipotalâmica”.
Diversos estudos observaram que estressores físicos ou emocionais atuam sobre o hipotálamo, alterando a secreção de fatores liberadores ou inibidores de hormônios hipofisários. Em estudo realizado em 2011, com mulheres que estavam começando a tentar engravidar, utilizou-se os biomarcadores cortisol e alfa-amilase salivar como medida de estresse dessas mulheres, que foram acompanhadas por um período de 12 meses. “O resultado revelou que mulheres que apresentaram níveis de estresse mais elevados (evidenciados através do exame de alfa-amilase salivar) acabaram reduzindo sua fecundidade em 29%, comparado ao grupo de mulheres com menor nível de estresse, além de apresentarem 2 vezes mais riscos de infertilidade”, revela Karina.
Segundo a ginecologista, nos homens, foram encontrados prejuízos na fertilidade em função da ansiedade, uma vez que níveis mais altos de ansiedade e estresse podem mudar a função testicular por alteração na produção de testosterona e pelo menor volume seminal e contagem, concentração e motilidade dos espermatozoides. Outro efeito nocivo do estresse é a queda no desejo sexual (libido) e alterações na ereção, diminuindo o número de relações sexuais do casal.
Em relação à Fertilização in vitro (FIV), que é um dos principais tratamentos para a infertilidade, a literatura revela que a ansiedade, e também a depressão, não estão relacionadas a resultados negativos no tratamento de FIV. No entanto, observou-se que as falhas de tratamento podem ocasionar ansiedade e depressão.
Karina Tafner conta que diversos pesquisadores da área utilizaram anteriormente o “Inventário de Ansiedade Traço-Estado IDATE ” para avaliar como a ansiedade poderia influenciar o eixo hipotálamo-hipófise-ovário. As avaliações apontam que quanto maior o grau de ansiedade, avaliado por esse método subjetivo, menor a chance de gravidez em mulheres submetidas a? inseminação artificial.

“O trabalho psicológico deve sempre ser orientado, buscando ajudar os pacientes a enfrentarem todo esse processo. Entretanto, a influência dos estados psicológicos sobre a funça?o reprodutiva apresenta um perfil multifatorial, sendo difícil determinar relaço?es lineares de causa e efeito. Além disso, as alterações hormonais ao estresse dependem do grau de ansiedade do indivíduo, sendo observadas respostas hormonais mais intensas quando há maior grau de ansiedade. Saber que há diversos tratamentos para infertilidade pode diminuir a ansiedade, melhorando as perspectivas em relação à concepção”, finaliza.

Ver comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.