×

Publicidade

Artigos

Exame de consciência

João Baptista Herkenhoff
                                             Juiz de Direito aposentado (ES) e escritor
                                            Email – jbpherkenhoff@gmail.com
            
         Todo dia é véspera da morte e anúncio de um parto. Vida, morte, nascimento, renascimento, convergência, ruptura. Esta é a dialética da vida.
         Para os que crêem na eternidade da essência humana, não existe a morte, simples passagem, igual a tantas outras que marcam a evolução do cosmos.
         Numa Missa de réquiem, ouvi uma belíssima reflexão (Padre Alberto Fontana), comparando o mistério do pós-morte, para quem se despede do mundo, com o mistério do pós-parto, para a criança que, do aconchego do ventre materno, irrompe para o desconhecido.
         Quando jovem eu pensava que esta vida transitória, neste corpo perecível que vestimos, fosse infinita. Tenho hoje a consciência da finitude.
         Paulo Apóstolo tinha pressa de partir. Impaciência com a espera. Não tenho a urgência do Apóstolo. Pudera ser contemplado com o augúrio do Profeta: ver os filhos dos filhos, até a terceira e quarta geração.
         Estas reflexões me convocam para um balanço geral.
         Gostaria de ser indulgenciado por todas as faltas, que são muitas, na pequenez do meu pó.
         Que relevassem meu silêncio todos aqueles a quem devia ter agradecido por ajudas, conselhos, exemplos. 
Não teria descortinado a dimensão social do Evangelho, se não fosse a convivência com D. João Baptista da Mota e Albuquerque, D. Luiz Gonzaga Fernandes, Padre Waldyr Ferreira de Almeida, Irmã Heloísa Maria Rodrigues da Cunha e outros.
Jamais teria compreendido que não existe profeta individual, mas que a profecia do mundo moderno é coletiva e partilhada, se não fossem as lutas travadas na Comissão “Justiça e Paz” da Arquidiocese de Vitória, ao lado de Rogério Coelho Vello, Antônio César Menezes Penedo, Vera Maria Simoni Nacif, Dante Pancini Pola, Sandro Chamon do Carmo, Ewerton Montenegro Guimarães, Pastor Claude Labrunie, Reverendo Jaime Wright e tantos outros.
Não teria vislumbrado a visão humanista do ofício judicial se não tivesse comungado vida e experiências com os magistrados Carlos Teixeira de Campos, Mário da Silva Nunes, Homero Mafra, Pedro Borges de Rezende e Eliézer Rosa.
         Prezaria que a Misericórdia colocasse lentes de aumento nos pequenos serviços desta modesta vida.
         Que o empenho de dar voz a quem não tinha voz, denunciar a injustiça mesmo sob a mira do perigo, junto a caminhantes da mesma caminhada, todos esses pequenos méritos fossem valorizados em cêntuplo.
         Que o esforço de proporcionar tratamento humano aos presos tivesse a recompensa prometida aos que viram no encarcerado a imagem do Crucificado.
         Que a busca por servir à dignidade da pessoa humana na cadeira de juiz, na tribuna de professor, no livro e no jornal fosse recebida como humilde oferenda Àquele sob cujo selo todos somos rigorosamente iguais, portadores da mesma dignidade e valor porque marcados pelo mesmo sopro divino.
 
É livre a divulgação deste artigo por qualquer meio ou veículo.
É também livre a transmissão do texto, de pessoa para pessoa.
Ver comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.