×

Publicidade

Brasil

No Espírito Santo, mais de 3 mil pessoas estão fora de casa nesta sexta-feira (24)

Sete pessoas morreram e uma ainda está desaparecida, segundo a Defesa Civil. Quinze comunidades continuam isoladas na região Sul do Espírito Santo.

Sete pessoas morreram e uma ainda está desaparecida, segundo a Defesa Civil.

Uma semana após a forte chuva que atingiu municípios do Sul do Espírito Santo, causando destruição e mortes, mais de 3,3 mil moradores continuam fora de casa nesta sexta-feira (24), dependendo de doações, após perderem o que tinham.

Sete pessoas morreram e uma ainda está desaparecida, segundo a Defesa Civil. Quinze comunidades continuam isoladas na região.

O governo federal reconheceu estado de calamidade pública para quatro cidades capixabas: Iconha, Vargem Alta, Alfredo Chaves e Rio Novo do Sul, as mais prejudicadas pelo temporal. Em grande parte da área delas, o cenário ainda é de muita lama e entulhos. Moradores tentam recuperar o que podem.

Continua após a Publicidade

Cerca de 40 militares do Exército Brasileiro estão com uma base em Iconha e estão auxiliando os trabalhos do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil na região.

Iconha

A cidade de Iconha continua com bastante lama pelas ruas e dentro dos imóveis. Quatro pessoas morreram e uma está desaparecida em decorrência da chuva no município, que fez o nível do rio subir cerca de 5 metros. Três comunidades ainda estão isoladas e a energia da maior parte da área já foi restabelecida, exceto os distritos de Bom Destino e Princesa.

Mais de mil pessoas estão fora de casa só no município. Moradores estão dependendo de doações de comida, produtos de limpeza e de higiene, botijas de gás, entre outros.

Das cinco unidade de saúde de Iconha, apenas uma está funcionando. As outras foram tomadas pela lama e tiveram os equipamentos perdidos.

A mesma situação se repetiu no Hospital de Iconha, que está desativado. Os atendimentos estão sendo feitos no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS).

“Antes nós estávamos atendendo na igreja. Agora tá muito melhor em questão sanitária. Estamos conseguindo fazer triagem, temos sala de vacina, médicos de fora estão vindo ajudar também”, disse o médico Rômulo Ribeiro, diretor do hospital.

O ano letivo, que começaria no dia 4 de fevereiro, agora não tem mais data prevista de início. Isso porque as creches e escolas também estão tomadas pelo barro e os materiais foram perdidos.

“Fizemos um relatório e a Secretaria de Educação disse que o nosso caso é de perda total, em termos de patrimônio. Não teve um cômodo que não foi atingido, tudo ficou estragado, de livros a computadores. Lama pra todo lado. Já a estrutura da escola vai ser avaliada pela Defesa Civil”, falou a diretora de uma creche, Arethilsa Vassoler Vieira.

Alfredo Chaves

Alfredo Chaves foi a outra cidade capixaba a registrar mortes por conta da chuva: três pessoas perderam a vida, incluindo um casal de idosos que morreu soterrado. O neto deles também foi parar debaixo dos escombros, mas conseguiu ser retirado com vida.

Quatro localidades ainda estão isoladas. Mais de 1,1 mil moradores estão fora de casa só no município.

O fornecimento de água já foi normalizado em toda a cidade, mas o de energia apenas na sede do município. Nem todas as comunidades do interior já estão recebendo eletricidade.

No município, um total de 17 pontes foram destruídas, deixando comunidades sem acesso. Com isso, produtores rurais começaram a ter dificuldades de escoar os produtos agrícolas e eles mesmos acabaram construindo estruturas para passar sobre os rios.

Vargem Alta

O município de Vargem Alta também é um dos que tiveram decreto de calamidade pública reconhecido pelo governo federal, mas a cidade não registrou mortes. Oito comunidades ainda estão isoladas no interior, pois 15 pontes foram destruídas pela força da enxurrada.

O fornecimento de energia elétrica foi quase totalmente restabelecido, apenas a comunidade de Ribeirão continua sem abastecimento.

O cenário da sede do município uma semana depois ainda continua sendo de muita destruição e sujeira.

Rio Novo do Sul

Em Rio Novo do Sul, que também está sob decreto de calamidade pública, os locais mais prejudicados foram no interior do município. Pontes e estradas de acesso foram destruídas. Aforça da chuva abriu uma cratera na rodovia ES-375, estrada que também liga Vargem Alta e Iconha.

Ninguém morreu na cidade em consequência do temporal, mas 15 pessoas estão fora de casa.

Resultado de imagem para No Espírito Santo, mais de 3 mil pessoAS

Ver comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.