×

Publicidade

Maranhão

‘Da minha parte, está definido’, diz Bolsonaro sobre indicação do filho Eduardo Bolsonaro

Presidente declarou, contudo, que ainda há um 'caminho todo' pela frente, como a consulta aos Estados Unidos sobre a indicação e a análise do nome de Eduardo pelo Senado.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (16) que, da sua parte, “está definido” que filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) será indicado embaixador do Brasil em Washington. O presidente destacou, no entanto, que ainda faltam algumas etapas antes de oficializar a indicação.

Bolsonaro foi questionado sobre o tema depois de participar de uma reunião com ministros no Palácio da Alvorada.

Continua após a Publicidade

“Da minha parte está definido. Conversei com ele [Eduardo] acho que anteontem [domingo]. Há interesse. A gente fica preocupado, é uma tremenda responsabilidade. Acho que, se tiverem argumentos contrários, que não seja isso, chulo que se fala por aí. Não é nepotismo, tem uma súmula do Supremo nesse sentido”, respondeu o presidente.

Bolsonaro disse ainda que, entre as etapas que faltam para oficializar a nomeação está uma consulta que deve ser feita ao governo norte-americano.

“Tem um caminho todo grande pela frente. Tem um termo técnico aí para os Estados Unidos ver se têm alguma coisa contra, é natural fazer isso aí. Tem que conversar com o parlamento”, completou.

O presidente mencionou a intenção de indicar Eduardo para a embaixada na quinta-feira (11) da semana passada. Desde então, a ideia vem sendo criticada por políticos e diplomatas. A indicação, se for efetivada, ainda tem que ser aprovada pelo Senado.

Questionado se teme um desgaste com os senadores, o presidente respondeu que a Casa fizer a sabatina e não aprovar Eduardo, o deputado retomará suas atividades na Câmara e “ponto final”.

“Esquece desgaste. Se a decisão for essa, o Senado vai sabatinar e vai decidir e ponto final. Se não for aprovado, fica na Câmara”, disse o presidente.

Previdência

Bolsonaro foi perguntado sobre a articulação para que o Senado inclua estados e municípios na reforma da Previdência. Para o presidente, é preciso cuidado, já que não se pode “complicar mais” a proposta em análise na Câmara.

A proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma enviada por Bolsonaro incluía estados e municípios, que foram tirados do texto por deputados. A reforma foi aprovada em primeiro turno na Câmara e terá de ser votada em segundo turno para chegar ao Senado.

Segundo Bolsonaro, ele observa que o eventual retorno de estados e municípios poderia atrasar a aprovação da reforma, já que o texto teria de voltar à Câmara. O que está em negociação é analisar uma PEC “paralela”, a partir do Senado, a fim de viabilizar esta inclusão.

Fonte:G1.com

Ver comentários
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.